A luta de Wakayama contra o corona vírus.

Fonte: The Washington Post, edição de 22 de março de 2020
Por: Simon Denyer e Akiko Kashiwagi
Tradução livre

TÓQUIO – No Japão, está sendo chamado de “modelo Wakayama”, a forma como uma província adotou suas próprias políticas rígidas de teste de coronavírus e conseguiu vencer uma batalha local contra a pandemia global.

É uma lição de como o pensamento ágil e a ação concentrada, baseada em testes e rastreios rápidos e bem direcionados, podem reprimir o novo vírus e interromper sua cadeia de transmissão. À medida que o coronavírus afeta os governos e as redes médicas em todo o mundo, o procedimento em Wakayama destaca alguns dos principais elementos da luta: testes bem direcionados e rastreamento de contatos.

Um médico na prefeitura de Wakayama, no sul do Japão, começou a se sentir mal em 31 de janeiro. Na época, o coronavírus estava se espalhando principalmente entre pessoas que haviam estado na China ou tido contato com alguém que o tinha.

Por três dias, ele tomou medicamentos para diminuir a febre e continuou trabalhando na pequena cidade de Yuasa. Havia, como sempre, uma longa fila de pacientes esperando para vê-lo.

Mas o médico, que não pode ser identificado pelas diretrizes japonesas para proteger a privacidade das pessoas infectadas, logo percebeu que não tinha um caso típico de gripe. Uma radiografia de tórax mostrou uma sombra no seu pulmão.

Em pouco tempo, mais quatro pessoas em Yuasa adoeceram, incluindo três pacientes e outro médico no hospital.

Péssimo cenário. Poderia ser um surto de coronavírus em um hospital, entre funcionários que cuidam de doentes e idosos?

As diretrizes do governo japonês na época eram claras. Os testes de coronavírus conhecidos como PCR, ou reação em cadeia da polimerase, eram escassos no Japão e reservados principalmente para pessoas que estiveram recentemente na China ou entraram em contato com outro caso confirmado.

Nenhuma das pessoas doentes em Wakayama atendeu a esses critérios.

Os burocratas japoneses são famosos por seguir as regras. Mas a região de Kansai, no sudoeste do Japão, é um pouco diferente, um lugar onde as pessoas se orgulham de sua independência. A prefeitura de Wakayama tem um político diferenciado no escritório do governador, Yoshinobu Nisaka, que disse que não segue à risca as diretrizes do governo e prefere adotar uma “abordagem original”.

Wakayama, conhecida por trilhas sinuosas nas montanhas, trilhas de peregrinação budista e portos pitorescos, é um dos corações espirituais do país. A província também encontrou sua própria voz em como enfrentar uma das maiores ameaças à saúde em gerações.

“Nesse município, decidimos responder à situação de maneira flexível, pensando que apenas o foco naqueles que tinham contato anterior com os chineses dificultaria a descoberta de casos infectados”, disse Takako Nojiri, que administra o departamento de saúde do município e desta forma definiu quem poderia ser testado para o coronavírus.

Mesmo antes do surgimento desses casos, “decidimos confiar na opinião dos médicos na linha de frente”, disse ela.

O diagnóstico era claro: “pneumonia com causas desconhecidas”. Ela deu luz verde. Primeiro, o médico que ficou doente foi testado para o coronavírus. E depois as outras quatro pessoas.

O teste do médico retornou positivo.

Enquanto os outros testes estavam chegando, o governador Nisaka convocou uma entrevista coletiva em 13 de fevereiro, a primeira de muitas a respeito do vírus. Todos que tiveram contato com o médico seriam rastreados, disse ele.

A notícia espalhou ondas de choque através da comunidade médica em Tóquio.

De repente, o Japão teve um caso interno de coronavírus, sem ligação direta à China. Os especialistas em doenças infecciosas chamam de “uma cadeia invisível de transmissão”.

O Ministério da Saúde do Japão já estava sob intensa pressão para expandir os testes de pacientes com suspeita de coronavírus. Em 17 de fevereiro, as regras foram flexibilizadas, anunciando que os médicos poderiam encaminhar qualquer pessoa com sintomas preocupantes para um teste de PCR, independentemente de contatos anteriores ou histórico de viagens.

Enquanto isso, Wakayama não havia terminado sua pesquisa.

Sob as diretrizes do Ministério da Saúde da época, nem todos que estavam em contato próximo com uma pessoa infectada estavam sendo testados. Muitas dessas pessoas simplesmente foram instruídas a ficar em casa e monitorar sua saúde.

O hospital em Yuasa havia sido fechado para pacientes ambulatoriais após os testes, mas Nisaka e seu departamento de saúde sabiam que precisavam que ele funcionasse novamente e com rapidez. Todos que podiam ter sido infectados precisavam ser testados.

“Tivemos que reabrir o hospital o mais rápido possível”, disse Nisaka em entrevista.

Os funcionários começaram a rastrear todos que tiveram contato com os médicos, enfermeiras, funcionários de meio período, pacientes, familiares e até trabalhadores de pequenas empresas que forneciam produtos para o hospital.

“Foi difícil”, disse a chefe do departamento de saúde, Nojiri. “O primeiro desafio foi visualizar o cenário geral, o que levou tempo. Não foi fácil encontrar todas as pessoas que precisavam ser testadas – não tínhamos os endereços das residências.”

Os funcionários dos centros de saúde pública entrevistaram pessoas para descobrir quem poderia ter tido contato com o vírus. Levou três dias para rastrear e 11 dias para coletar amostras para testes, disse ela.

A lista final chegou a 470 pessoas, um número enorme para o momento em que o Japão fazia apenas algumas centenas de testes por dia, fora do navio de cruzeiro Diamond Princess em quarentena em Yokohama.

Então Nisaka teve que aceitar o desafio, convencendo Tóquio a enviar os produtos químicos necessários para realizar centenas de testes. Ele pessoalmente foi à prefeitura vizinha de Osaka e convenceu o governador de lá, outro político independente, a abrir seus laboratórios para 150 testes. O restante foi realizado na própria cidade de Wakayama.

A equipe médica de Wakayama e Osaka trabalhava dia e noite para analisar os resultados dos testes.

“Não poderia ter sido feito mais rápido”, disse Nojiri.

“A primeira lição é tomar ações orientadas a objetivos; a segunda é fazer tudo em velocidade muito alta”, disse Nisaka. “A ação deve ser lógica, precisa ser completa e precisa ser rápida.”

Mas a vigília de Wakayama contra o coronavírus está longe de terminar.

No início de março, um novo e grande conjunto de infecções foi detectado em Osaka entre as pessoas que compareceram a um local de música ao vivo. Em 5 de março, uma mulher de Wakayama que estava no clube testou positivo.

Nisaka e sua equipe entraram em ação novamente. Os oficiais da cidade e da prefeitura de Wakayama trabalharam “em velocidade feroz” para rastrear todos os que estiveram em contato com a pessoa infectada e em todos os lugares em que ela esteve.

As estações ferroviárias da JR foram desinfetadas em Wakayama. Em outra decisão que violou as regras de privacidade do Japão, o governador revelou o nome do empregador do novo paciente de Wakayama e garantiu que todos os seus colegas de trabalho fossem testados. Todos foram negativos, mas ainda foram solicitados a evitar o transporte público e o trabalho em casa por quatro semanas.

“Vamos permanecer em vigilância máxima”, escreveu Nisaka em uma mensagem ao povo de Wakayama. “Se tivermos outro caso, devemos dar as mãos e trabalhar em conjunto com toda a nossa força, como sempre fizemos. Sempre acreditamos na esperança de vencermos as batalhas com nossos esforços. ”

One Reply to “A luta de Wakayama contra o corona vírus.”

  1. Parabenizo as ações do Governador de Wakayama Sr. Yoshinobu Nisaka, com eficiência, e espírito de liderança, está conduzindo de forma eficaz, o controle desta pandemia, assegurando a Vida da População de Wakayama, louvável, um exemplo!

Deixe seu comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *